o candidato do PSD à câmara da Praia

Já só faltam cinco meses para as eleições autárquicas e ainda não sabemos quem irá disputar com Tibério Dinis (PS) a presidência da Câmara da Praia. Faz-se tarde e o tempo corre de forma bastante veloz. Começa a ficar apertado o espaço disponível para se discutirem as questões mais prementes do concelho e que, consciente ou inconscientemente, mais preocupam os praienses a começar pela questão demográfica (a tão falada falta de gente), passando pela capacidade de atrair investimento e a criação de emprego. A ordem em que apresentei os tópicos não é necessariamente uma hierarquia de importância, até porque se atropelam, dependem uns dos outros e exigem, da parte dos responsáveis políticos, um debate profundo, apaixonado nas causas e com menos emoção estritamente partidária. Mas, pelo andar lento desta carruagem, não vai haver tempo e a campanha eleitoral arrisca-se a ser um concurso para se saber quem é o mais popular, quem aparece em mais festas e touradas ou quem tem um melhor desempenho no facebook, no caso de o ter. Nesta semana em que se comemora Abril, Mário Soares e Sá Carneiro andarão às voltas no túmulo só de imaginar que na Praia o que determinará o resultado eleitoral serão os gostos das redes sociais em vez das ideias e dos projetos.Mas será estratégia ou taticismo político não apresentar, para já, um candidato? Ou, numa hipótese remota, será que não existe mesmo candidato? Não acredito.

Se a questão for estratégica, parece-me que já começa a ser estratégia a mais e Praia a menos ao ponto de, na praça pública, já circularem nomes que vão sendo “queimados” sucessivamente. Mas isto é um estilo muito característico e vincado do PSD que teima em não querer alterá-lo, fazendo desta prática o garante da sobrevivência política de dois ou três.

Considerando a segunda hipótese – a não existência de um candidato – a situação torna-se grave mas, ao mesmo tempo, estranha tendo em conta que o PSD tem um candidato natural. Um homem experiente, competente, conhecedor do concelho e dos seus problemas, e com capacidade de liderar um projeto agregador e supra-partidário no sentido em que os interesses da Praia estarão à frente dos interesses do partido.

Refiro-me, evidentemente, a José Fernando Gomes. Terá certamente o apoio de todas as estruturas partidárias, em todas as onze freguesias do concelho, junto do eleitorado rural e do eleitorado mais urbano. Acompanha a atividade política, económica e social do concelho, conhecendo-a com profundidade e tem ideias claras para solucionar os seus problemas. Não percebo, por isso, porque razão o seu nome ainda não foi anunciado como sendo o candidato da oposição. Vamos esperar.

No momento em que escrevo estas linhas, estou sentado à janela a olhar para Lisboa. O 25 de abril de 2017 nasceu cinzento. Por esta hora, há 43 anos atrás, Lisboa vivia momentos de incerteza. A Liberdade entrava de rompante pela capital com o medo e a esperança num país livre a caminharem lado a lado pelas principais ruas e praças da cidade. Por vezes tenho dúvidas se tivemos a capacidade de fazer cumprir os ideais da revolução de 1974. E hoje, quando escrevo sobre a dificuldade em encontrar candidatos para eleições, com mais dúvidas fico e sei que este meu texto será adjetivado de tudo, menos o de ser a aplicação prática dos ideais de abril onde o exercício da opinião, sedimentado na liberdade de expressão, eram pilares fundamentais para o sucesso do novo Portugal que aí nascia. Não tenham medo! Foi para isso que se fez Abril!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s