enganados… outra vez!

seasteading

Já víamos os foguetões cruzarem os céus da baía da Praia. Imaginávamos a serra do Facho cheia de antenas parabólicas gigantescas a rodarem na busca do sinal perfeito. O Cabo da Praia poderia ser um novo Cabo Canaveral e as ruas, restaurantes e esplanadas da nossa cidade apinhadas de gente das mais diversas etnias e origens geográficas, a falarem muitas línguas diferentes sem que fossem turistas.

Pela estrada que liga o Facho a Santa Rita, de ambos os lados, os painéis fotovoltaicos – às dezenas para não dizer centenas – espelhavam esta nova Praia da Vitória que depois de abandonada pelos americanos e negligenciada pelos portugueses mergulhava num novo futuro, o do espaço, o da tecnologia, o da ciência. Por esse caminho, a circulação automóvel era intensa, mas silenciosa. Era também a era da generalização dos carros elétricos e os parquímetros da cidade haviam sido substituídos por pontos de recarregamento das baterias dos automóveis. Era o fim da dependência dos combustíveis fósseis e da tirania do estacionamento tarifado.

A Base das Lajes retomava a grandiosidade perdida. Os bairros habitacionais deixados pela força estrangeira tinham sido remodelados e adaptados às novas necessidades destes novos terceirenses. Havia lista de espera e já se projetava a requalificação de toda a estrada 25 de abril, Amoreiras e Santa Rita. O Espadim Azul iria permanecer como templo da memória da presença americana que o não transformou, mas que contribuiu para a sua perpetuação. Nem tudo o que os americanos haviam trazido para o meio do Atlântico era bom e esta zona envolvente àquela espécie te território ocupado é disso exemplo.

Na estrada do Juncal, naquela área mais próxima do Posto Um, haviam sido construídos dois complexos de grandes dimensões onde dominavam a madeira de criptoméria e o vidro, sendo que no exterior as árvores de grande porte o envolviam. Pertenciam à TERAMB-2, empresa que havia substituído a atual depois da falência desta face ao desastre financeiro que fora a exploração da central de valorização energética da Achada. A EDA, como sempre se esperou, acabou por ser mais forte… politicamente.

Estes dois novos complexos, construídos com os milhões transferidos pela administração norte-americana, no âmbito do PREIT, e depois de Sérgio Ávila se ter barricado à entrada da Base, acorrentado, ameaçando que não deixava entrar mais ninguém nas instalações se o dinheiro não viesse, tinham por missão descontaminar os solos e os aquíferos, tratar a água e distribuí-la gratuitamente pela população do concelho. Apesar deste ato heroico do Vice-Presidente, nada disto teria sido possível sem a ajuda do Governo da República (determinante), de Vasco Cordeiro (essencial) e de Donald Trump (a pedra de toque).

O primeiro passo foi dado com a realização, na Praia, de uma cimeira internacional para que este esboço de ficção científica venha a tornar-se uma realidade nos tempos mais próximos.

O segundo passo foi dado na passada semana quando o Governo dos Açores anunciou o lançamento de um concurso internacional para instalação de satélites, não na Terceira, mas em Santa Maria. Eu percebo que o Governo Regional dos Açores e o Partido Socialista estejam mais preocupados com as eleições autárquicas em Santa Maria do que na Terceira. O que eu não percebo é porque razão, à volta deste mesmo tema, na Terceira, todos se tenham calado. Ninguém reagiu, nem a favor, nem contra, nem no poder, nem na oposição. Foi como se nada se tivesse passado, mais uma vez.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s