não se esqueçam da Terceira

achada

Começaram esta semana as tomadas de posse dos novos órgãos autárquicos que terão a difícil missão de gerir os nossos concelhos durante os próximos quatro anos. E quem fala de concelhos, fala da ilha. É impossível olhar para a Terceira como se fosse uma realidade compartimentada em que as decisões de uma das suas partes não tem influência na outra, sem que se exija que um e o outro lado se entendam e se articulem no sentido de resolverem problemas comuns que afetam toda a população terceirense. Projetar um cais de cruzeiros, uma plataforma logística ou promover a centralidade da Terceira tornando-a o centro aglutinador de coisa qualquer regional não pode ser feito sem que as duas autarquias da ilha se entendam e não procurem, individualmente, o protagonismo regional de cada uma delas.

Enquanto nos entretivermos a discutir se o cais de cruzeiros será em Angra ou na Praia, se o hub será no Porto das Pipas ou no Cabo da Praia ou se a capital da cultura é a cidade património ou a cidade nova, os outros vão ganhando terreno porque sabem que, independentemente de ser em Ponta Delgada ou em Ponta Delgada, quem ganha é São Miguel.

Mas esta projeção da Terceira no futuro e na senda do desenvolvimento económico e do progresso não pode contar SÓ com as autarquias, por muito peso que elas possam ter. É essencial que os deputados regionais, da república e todos quantos exerçam funções públicas no governo ou nas empresas e sociedades públicas regionais se empenhem nesta luta. Uma luta difícil e que pode colocar em perigo os lugares que ocupam. A verdade nua e crua é que grande parte desses lugares tem como critério base de nomeação ou de escolha a origem geográfica do titular. Não é por acaso que temos o número de secretários e diretores regionais que temos ou a grande quantidade de membros nomeados em conselhos de administração e em tantos outros lugares difíceis de elencar. Acreditem, é por serem da Terceira. Se compararmos, por exemplo, com o Faial – para não irmos diretamente ao Corvo – perceberão que a diferença é abissal.

Com isto se percebe que não é por falta de gente com capacidade de influência. Se não é por isso, só pode ser por falta de vontade de inverter as prioridades. Colocar à cabeça os interesses da Terceira e das suas populações em vez dos interesses pessoais e partidários que só permitem o crescimento de alguns numa sociedade dita democrática e igualitária.

A ilha Terceira tem que deixar de ser um permanente campo de batalha em que perdemos todos. E tão bem nós sabemos fazer e alimentar guerras. Batalhas para os outros vencerem. Troféus conquistados para outros exibirem e deles colherem os frutos. É certo que alguns ganham, mas a realidade é que o coletivo não vence e os resultados estão à vista. Há que ter coragem para enfrentar gigantes e de se unirem esforços. Encontrar o que de comum existe entre as vontades de cada uma das forças envolvidas nesta contenda que se vai perpetuando. Há que ter a ambição de querer mais e melhor para Angra e para a Praia, para a Terceira.

Infelizmente, quando se olha para o panorama decisor e influenciador da nossa ilha, é a origem partidária dos seus protagonistas que se acentua. Pouco me importa se o Sérgio é do PS, a Mónica do PSD, o Artur do CDS, a Lara do PS ou o Ventura do PSD. O que importa, isso sim, é que todos são terceirenses. E é pela Terceira que são o que são e que ocupam os lugares que ocupam. Só lhes peço, a estes e a todos os outros na mesma situação, que não se esqueçam da Terceira.

Artigo publicado na edição de hoje do Diário Insular.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s