somos cobardes…

28dc-christmas5-superJumbo

…e hipócritas. Nunca temos culpa de nada. Custe o que custar, procuramos – e encontramos sempre – algum bode, ou até mesmo uma cabra, que expie a nossa cobardia. Levamo-lo(a) para o cepo e zás, lá vai a cabeça a rolar pelo chão com os caracóis ensanguentados e os olhos abertos, a brilhar, sem pestanejo, que, depois de morto, só o pensamento fica e o espírito assombra. E como assombram os espíritos inocentes que vagueiam por entre a multidão, em salas e pretensos salões onde os egos e o inchaço da presunção mal têm espaço. Ocupantes de tez bronzeada e nó de gravata feito em volta simples, torto, mas fácil de desfazer, não vá ser preciso dar um ar de descontraído, sem tirar o casaco, e desmanchar o personagem criado ao longo de anos, com narrativa alternativa, cuidada, pretensamente incólume e ao gosto das primeiras páginas e dos distraídos.

Gostamos de esquinas, de um qualquer canto escondido na sombra e de ficar de costas para a porta do café, não vá alguém que (não) interesse identificar-nos e perdermos a oportunidade de lhe repetirmos a mesma conversa, agora condimentada com os novos dados, no momento mais oportuno que poderá ser já daqui a instantes, mal entremos no carro e ninguém perceber que temos o telemóvel mesmo ali à mão. Colocamos na boca do outro as palavras que não temos coragem para assumir e dizer, mas ficam ditas. “Ouvi dizer…” Ao sabor dos nossos interesses, jogamos este jogo de sombras e tentamo-nos ir safando por entre os pingos da chuva. Umas vezes safamo-nos, outras não. Alguns, sempre. Tudo depende do grau e da capacidade camaleónica de cada um.

O olfato desempenha um papel central neste sistema de “hipocobardia”. Entenda-se que o prefixo “hipo” é aqui usado como derivante de “hipocrisia” e não como qualquer correlação à nobre família equídea, sendo certo que os coices abundam e que a expressão “albarda-se o burro/cavalo à vontade do dono” constitui um dos mandamentos fundamentais da Lei deste Deus. Se hoje és cavalo, facilmente te transformas em burro. Para tal, basta que na baia ao lado o cheiro for mais apelativo e der mais garantias, mesmo que não passes de moço de estrebaria e te limites a segurar o estribo para que outro alguém monte o corcel. Felizmente, o inverso também é possível, passar de burro a cavalo. São as vantagens da democracia e deste sistema de mobilidade entre castas que funciona na perfeição. Ainda bem!…

Hoje, somos amigos do Manuel. O maior que o mundo alguma vez viu e amou. Ele é como nós. Um nosso igual. Dou a vida por ele. Os ventos mudam e o José posiciona-se para liderar o concurso. Tudo indica que vai ganhar a contenda. Nunca se passou a dizer tão mal do Manuel como até agora, dizendo dele o que nunca diríamos de nós, e o José, esse fenómeno da Natureza, nascido para ser um vencedor, é colocado num altar. Um Deus. Um ídolo.

Certo dia, o José esquece-se de fazer “gosto” numa publicação nas redes sociais. José torna-se um alvo a abater. Eu sempre disse que o gajo não valia nada. O Manuel, esse sim, é que é um homem às direitas. Sempre estive do lado dele. O Manuel não tem Facebook. Não tem como partilhar fotografias de grupo onde identifica os amigos. O João tem e com muitos seguidores. Grande amigo.

As cabeças de José e Manuel – os culpados de tudo – estão agora no cepo. João anda de jantar de Natal em jantar de Natal com os amigos do José, inimigos de Manuel, e com os amigos de Manuel, inimigos de José, agora, amigos uns dos outros.

Sempre fomos grandes amigos.

Artigo publicado na edição de hoje do Diário Insular.

Published by

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s