o meu pai chama-se Jorge

pai guiné

Cada dia do pai que passa vai crescendo em mim a angústia da certeza de que um dia irei perdê-lo. Os anos passam e a idade avança. Vejo-o envelhecer, a esconder as doenças e as mazelas acumuladas ao longo de setenta e cinco anos de vida, fazendo crer que tudo está bem. Finjo que acredito. Ele sabe-o, mas não se importa.

Os anos foram passando e muito tem ficado por fazer e por dizer. Sei que não sou um filho perfeito. Quem o é? O tempo aproximou-nos e os netos também. Nunca imaginei ver o meu pai dançar ao som do Panda e dos Caricas em frente à televisão ou de sentar-se com o Jorge e a Amélia a ver a Patrulha Pata ou a Ladybug e entrar nas brincadeiras de super-heróis quando é preciso afastar o Falcão Traça e o seu Acuma. Gosto de o ver brincar com os meus filhos e eles gostam. O avô é sempre o avô. A paternidade transforma-nos. Ser avô, pelos vistos, também.

O meu pai chama-se Jorge. O meu filho também!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s