o meu Natal

Não vou passar o Natal sozinho. Sou um daqueles privilegiados a quem nunca tal sucedeu. Sempre passei a noite da consoada à mesa, com a família, a comer bacalhau cozido com batatas, grão-de-bico, ovo e couve portuguesa a que acrescento, ainda, cebola, alho e salsa picados bem miudinho e espalhados sobre esta tradicional comezaina ainda a fumegar. Não posso ainda dispensar a pimenta branca e um rio de azeite, ou não fosse o meu pai transmontano. Para sobremesa, o ideal seria apresentarem-me aletria, mas já vai rareando. Em alternativa, podiam oferecer-me rabanadas que também já escasseiam.

Apesar de nunca ter estado sozinho ou rodeado só por estranhos, nem sempre são os mesmos que se sentam à volta da mesa.  Em determinados momentos, por uma razão ou por outra, alguns não puderam estar presentes. As comissões no ultramar, a emigração ou a necessidade de ir passar o Natal com o outro lado da família, fizeram com que algumas ceias fossem mais tristes. Para compensar, a família foi crescendo. Os tios casaram, vieram os primos e mais tarde os cunhados e os sobrinhos. A mesa foi ficando pequena e a confusão aumentou. A tradição, essa, manteve-se e manter-se-á enquanto eu tiver o discernimento para me recordar quem sou e de onde venho.

De há seis anos para cá, tudo mudou e a família duplicou. Com ela, vieram outras formas de celebrar a festa, outras tradições e outros rituais. Mas o Natal é o mesmo e a magia mantém-se. Com os filhos, os gestos mais simples, as pequenas coisas e o recuperar das tradições da nossa própria infância fazem-nos viajar no tempo e voltar a ser aquelas crianças que esperavam pelo Menino Jesus depois de, na noite anterior, termos deixado o nosso sapatinho sobre o fogão, debaixo da chaminé.

É usual dizer-se que o Natal é para as crianças. Não, não é. O Natal é para nós todos. Para o pai, para a mãe, para os filhos, netos e avós. Mas o Natal também é para aqueles que já não têm ninguém. Aqueles que já perderam os pais, os que não têm filhos e os que vivem sós. Felizmente, ainda tenho os meus pais comigo. Espero que por muitos anos. Apesar da idade, ainda me fazem sentir a criança que um dia fui e mostram-me o pai que devo ser.

Feliz Natal e aproveitem, enquanto puderem, o que de bom esta quadra tem para dar.

Publicado na edição de hoje do Diário Insular.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s