desisti

A única vez que assisti a um concerto dele ao vivo, corria o ano de 1998, e Portugal, em êxtase, celebrava os Oceanos. Há vinte anos, inaugurada a ponte Vasco da Gama e aberta a exposição mundial que fez de Lisboa a capital do mundo, Caetano Veloso atuava para nós. O concerto foi memorável e, desde esse tempo, não tive oportunidade de o rever em carne e osso, limitando-me a ouvi-lo através da rádio, dos concertos gravados no youtube e dos discos que, religiosamente, vou adquirindo ou descarregando no itunes.

Em 1998, na Expo do Gil, os Açores apresentaram-se ao mundo com uma opereta, A Ilha Décima, aplaudida um pouco por toda a parte. Muitos, ainda hoje, recordam com saudade esse espetáculo que, mais tarde, foi apresentado numa tenda de circo instalada no paul da Praia, permitindo a todos quantos não puderam visioná-lo em Lisboa o fizessem ali, naquele espaço de magia e artes onde Gilberto Gil iria atuar, não fosse o vendaval de umas horas a ter deitado ao chão transferindo o Festival do Ramo Grande desse ano para o pavilhão da Escola Preparatória.

Caetano Veloso vem aos Açores no próximo mês de julho onde dará dois concertos. O local escolhido foi o Teatro Micaelense, o venue regional destinado a acolher os espetáculos pagos e patrocinados pelo Governo dos Açores, através da Direção Regional da Cultura sediada na cidade património.

É uma oportunidade para todos os açorianos assistirem a uma exibição deste homem que também gosta do Salvador Sobral e de Amar Pelos Dois. Eu, que sou um dos seus fãs, assim que soube da realização do evento, apressei-me a visitar a página do Teatro Micaelense com o intuito de comprar um bilhete. Ainda não estavam disponíveis da primeira vez que o fiz. Entretanto, havia toda uma logística a acautelar para me deslocar a São Miguel, para além de ter que tirar um ou dois dias de férias o que, no caso, não seria difícil dada a minha relação de trabalho com a entidade patronal.

Primeiro, reserva de avião. O preço da passagem aérea ronda os 175€. Depois, considerando a hora do evento, havia que encontrar local para dormir. Para não haver gastos supérfluos, optei por reservar uma única noite. O alojamento em Ponta Delgada está pela hora da morte e, dificilmente, arranjo algo a menos de 100€. O bilhete, soube-o agora, custa 60€. Significa isto que para um açoriano residente na ilha Terceira ter acesso ao concerto do Caetano Veloso no Teatro Micaelense, venue regional, tem de desembolsar 335€, excluindo refeições, cafés e copos.

A Ilha Décima retratava a açorianidade e a condição da vivência em ilhas. Em 1998 sonhávamos em mergulhar no futuro, transformando os oceanos em pontes entre os povos e continentes. Esquecemo-nos que também existem ilhas onde um povo, o mesmo povo, vive disperso por todas elas. Passadas duas décadas, pouco mudou. O isolamento mantém-se e o afastamento agrava-se. Os Açores, infelizmente, continuam a ser uma ilha mais oito onde as coisas não chegam e o centralismo se agrava.

Desisti. Não será desta que voltarei a ver o Caetano.

2 pensamentos sobre “desisti

  1. Sou brasileiro e nunca o vi pessoalmente. Dê-se por realizado de já ter essa experiência vivida. Este é o maior nome da história da música brasileira (MPB).

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s