A Décima Ilha.

Estranhamos ver a nossa terra retratada pelos olhos de um forasteiro. Consideramos isso um atrevimento, principalmente quando o foco da sua atenção não corresponde aos nossos rigorosos cânones de qualidade oficial e o objeto descrito foge àquilo que, para nós, é o importante. O que o forasteiro deveria ter visto e não viu, deveria ter gostado e ignorou.

Aos olhos de um visitante que não se limite aos circuitos turísticos previamente estabelecidos, a vivência da ilha é feita em discurso direto, sem filtros, sem plástico ou fantasias encenadas. Absorve a experiência, a paisagem, os cheiros, os sabores do quotidiano e ouve as estórias e os relatos das gentes com quem se cruza e que não oculta a verdade. Uma verdade que depende de quem, de como, de onde e de que vidas.

Quis o destino que numa recente passagem relâmpago pela cidade do Porto, entrasse na livraria Lello, aquele lugar mágico ao estilo Hogwarts onde até o Harry Potter, em carne e osso, está disponível para a pose fotográfica. Gente não falta. Era de noite e estava a chover. Aquilo que habitualmente deveria ser um espaço de silêncio onde o único ruído audível seria o provocado pelo movimento dos personagens enclausurados nas páginas dos livros, pouco mais era que uma feira, embora sem a raspadinha da Ryanair ou as promoções de cosméticos. Promoções sim, mas de cinco euros, na aquisição de um livro. O equivalente ao custo do ingresso.

No meio daquele caos e aperto, não tive outro remédio que não fosse andar a roçar as estantes com a barriga que vai precisando de uma dieta, embora resista. Num dos tropeções, dei de caras com um livro em cuja capa, com muito azul e nuvens, se desenhada uma montanha verde acompanhada por um casario branco com telha alaranjada. Reconheci ser o Monte Brasil com Angra a seus pés. O título do livro, “A Décima Ilha”. A autora, Diana Marcum. Sob o nome, uma descrição extra, “Prémio Pulitzer”.

Com os cinco euros de desconto prometidos à entrada, comprei o livro.

O livro é uma visão interessante daquilo que é a Terceira, a sua emigração, os seus emigrantes em férias e a relação entre nós e eles. Sim, eles. Para um nativo como eu, deteto aqui e ali algumas imprecisões no detalhe ou formas de relatar eventos da nossa cultura tradicional que, para os peitos mais sensíveis, podem degenerar em pequena ofensa. Contudo, a culpa não será da autora. Aquela é a sua perceção. Aquilo que viu, sentiu e bebeu.

É diferente da narrativa romântica que queremos seja a nossa imagem. Uma narrativa muitas vezes artificial, escrita à medida de quem a escreve, com o objetivo de esconder a verdade ou promover uma imagem de si próprio mais vendável e mais ao gosto do tempo.

A Diana Marcum também nos fala dos vulcões, do oceano, da alcatra, das lapas, dos touros, da Brianda Pereira, da Base das Lajes, do Pico Matias Simão, dos Altares e dos Biscoitos. Ela gostou dos Açores, da Terceira. Gostou de nós e fala bem de nós. Diferente do que seriamos nós os dois, eu e você, a escrever. Mas fala bem. Com a vantagem de não ter de ser politicamente correta, fazendo comentários que a um habitante da ilha, embora pense, não pode fazer.

Esta jornalista que é Prémio Pulitzer, jornalista dos Los Angeles Times, escreveu sobre a nossa terra. Deu-nos a visão de uma americana da Califórnia, não luso-americana, sobre a ilha Terceira, as nossas gentes e a nossa diáspora que tanto serve para discursos bonitos e para proporcionar visitas à borla às terras do tio Sam.

Por cá, ignorámo-la. Não é uma de nós.

Com que atrevimento vem uma americanazinha qualquer falar da gente sem que tivéssemos sido nós a dizer-lhe o que escrever?!… E parece que não há mesmo maneira de nos desenriçarmos desta teia…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s