Nada é normal.

Tudo parece ter voltado à normalidade, mas nada mais é que uma ilusão ou um engano. Regressámos às rotinas a que tentamos chamar-lhes de habituais, mas não o são. Vamos ao café, levamos os filhos ao colégio, vamos trabalhar, vamos à praia, aos restaurantes, às compras, à rua. Procuramos fazer tudo quanto fazíamos e dizemos que nada mudou. A verdade, a triste realidade é que nada é como dantes.

Vamo-nos habituando a usar uma máscara que nos é desconfortável, fria apesar do bafo que sentimos lá dentro, e nos impede de sorrir como estávamos habituados, que nos dificulta a reconhecer os amigos e os conhecidos no supermercado e nos transforma em seres ainda mais isolados, robots numa terra em que nos conhecíamos a todos e que bastava um pequeno sorriso, por mais ténue que fosse, para que sentíssemos aquele aconchego maternal que é viver num lugar pequeno onde um vizinho não é um estranho, onde um encontro num patamar de elevador não é uma violação de um espaço íntimo.

Nada é normal quando passas horas infindas a respirar o teu próprio ar, a adivinhar a expressão no rosto dos outros e a obrigar-te a comunicar e a reagir só com os olhos.

Nada é normal quando estás sentado à mesa de um restaurante e desconfias das pessoas que estão na mesa ao lado, mesmo que a uma distância tida como segura, só porque percebes, pela forma como se expressam e pronunciam as palavras, que não são locais e terão atravessado todo um oceano só para cá chegarem, quem sabe só para poderem abraçar os seus por uma última vez.

Nada é normal quando vivemos na incerteza de um futuro que foi o de ontem e o de hoje acaba daqui por uns instantes.

Nada é normal quando duvidamos dos nossos gestos e nos sentimos culpados por deixar alguém aproximar-se de nós, a sentar-se à mesma mesa, a partilhar um momento de simples afeto mesmo que sem contacto físico.

Nada é normal quando te obrigas a pensar que não há problema em estar vivo, em viver, em trabalhar, em estar junto dos teus, em querer olhar o futuro com os olhos ingénuos da criança que foste e do adulto que julgas ser.

Sentas-te em frente à televisão e vês o mundo correr a uma velocidade vertiginosa, em ciclos, sempre às voltas, às apalpadelas, em busca de uma normalidade frágil. Os números repetem-se. Não fosse a temperatura que se faz sentir na rua, julgarias ter sido transportado para o início de março quando tudo parecia ser uma realidade distante, mas que rapidamente se tornou próxima.

Ouvem-se argumentos, justificações. Algumas, quando ditas pela boca de outros, são tidas por irresponsáveis, demagógicas e pouco transparentes. Dão-se tiros para todo o lado procurando culpados. Nunca, como agora, se percebeu tamanha desorientação e desnorte.

Enquanto isso, por cá, algumas instituições optaram por paralisar, limitando-se, in concreto, ao papel de megafone retransmissor. Outras, no essencial… bem, basta dizer que as eleições são já em outubro.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s